Lilypie 1st Birthday Ticker
Quinta-feira, 29 de Março de 2007

tá quase

Recado da minha mãe: tens que ir andar senão o bebé nunca mais nasce.

Uma senhora à saída da farmácia: primeiro olha-me com um ar meio espanto meio aterrorizado que diz "bolas! que barriga enorme!" e depois sorri e diz-me está quase!

As senhoras que me tiram sangue para as análises: atão ainda está aqui esta barriga tão grande à espera? ai, está mesmo quase, olha lá a carinha dela tão inchadinha! Vê-se logo que está no fim do tempo!
publicado por Claudia Borralho às 12:25

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Terça-feira, 27 de Março de 2007

36 semanas


36 semanas
Originally uploaded by Morgy.

Damos entrada no último quadrado da barrinha ali de cima, daqui a algumas semanas já cá está o Gabriel.
A semana passada foi muito ocupada, na terça consulta para revisão da baixa, na quarta consulta com a médica que me tem acompanhado, na quinta análises, incluindo a da glicose outra vez e finalmente na sexta consulta com o médico da CUF, para começar a ser acompanhada no hospital.
Em relação à baixa, parece que é finalmente no final desta semana que vou conseguir fazer o pedido à segurança social. Mas não foi fácil, ainda foi preciso estar ontem a chorar baba e ranho ao telefone com as senhoras dos vários departamentos lá da empresa. Eu sinceramente não consigo compreender, a única coisa que se pede deles é que assinem um papel da segurança social em como durante aquele período não me vão pagar o salário. No entanto, e apesar de terem uma declaração do médico em como eu devo estar de repouso até ao parto, insistem em só inserir os dias que vão aparecendo nos documentos de baixa. Grrrrr, mas acham o quê? Que vou voltar a trabalhar nas últimas duas semanas que faltam para a data prevista do parto??? Bom, por fim lá disseram que iam inserir os dias que estavam na declaração do médico e hoje o outro departamento já disse que me vai enviar o requerimento assinado.
Em relação à consulta de quarta a tensão continua na mesma (114/74), o peso subiu para os 63Kg naquela balança, mediu o útero e pela primeira vez conseguiu apanhar o coração do gabriel à primeira. Filhote... já nem tens espaço para fugir dos aparelhometros. Ainda lá voltamos na próxima semana para CTG e consulta.
As análises correram bastante bem, desta vez nem cheguei a ficar enjoada. Os pensos que me colocaram nos braços é que tinham uma cola hiper potente, quando os tirei ao final do dia levaram a minha pele atrás. Bolas! Doeu como tudo, e uma das zonas de pele arrancada ainda fez pus no dia seguinte.
A consulta na CUF foi com o médico que nos atendeu na urgência da queda. Tanto eu como o tiago gostamos do médico e combinamos com o médico de ir lá naquele dia. Na CUF antes da consulta vamos primeiro à enfermeira que mede a tensão, recolhe xixi e pesa-nos. A tensão estava nos valores habituais (111/65) e o peso 61Kg (finalmente uma balança parecida com a de lá de casa). Depois o médico (que é muito simpático) esteve a recolher toda a nossa história da gravidez, a ver as análises todas e as ecografias. Combinamos CTG e consulta para as 38 semanas no Hospital Garcia de Orta (o médico ainda não sabe se vai a um congresso no dia das consultas na CUF).
Se o Gabriel resolver nascer entretanto, ao dar entrada na urgência, dizemos que é ele que deverá fazer o nosso parto para lhe ligarem do hospital a chamá-lo. Se sempre estive convencida que não valia a pena pensar em ter "o meu médico" a fazer o parto, já que nunca se sabe se esse médico lá estará, gostava mesmo que fosse este médico a fazer o parto. Não só é muito simpático, como revelou uma certa abertura aos meus pedidos e trabalha no Garcia de Orta. Ponto ultra a favor já que é o único hospital amigo dos bebés em Portugal, e eu gostava que me deixassem amamentar logo logo, com o bebé ainda com o cordão e antes de sair a placenta!
No final ainda tive direito a um toque. Ele não era para o fazer, mas como eu não sabia dizer se já tenho contracções, ele resolveu mesmo fazer o toque! Enfim... entre gritinhos de dor e comigo a subir pela marquesa acima revela-se que o colo está formado e fechado. Duhhh!

No sábado comecei os meus passeios regulares pela praia. Voltei lá ontem e depois vou amanhã e na sexta feira. Na próxima semana já vou aumentar a intensidade e as distâncias, mas ainda não sei se vou para a praia ou se fico aqui pela ciclovia. Entretanto, tenho que tratar da depilação. Eu até nem me importava de ir para lá feita homem das cavernas e eles que debastassem a floresta, mas sinceramente não quero nada que me cortem e para recuperação pós parto não faz lá falta comichão e infecção de pelos a crescer!



35 semanas e 5 dias
Originally uploaded by Morgy.

publicado por Claudia Borralho às 12:34

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Março de 2007

The Moon's Effect on Natural Childbirth

Did you know that some maternity units actually have more staff available during periods of full moon?

I've always been fascinated by the moon's effect on nature, so when a friend's wife conveyed to me what her midwife had told her during the birth of their daughter, I decided to find out more about childbirth, full moon and a possible link.

On speaking to various medical staff involved in natural childbirth, the first thing I learned was that expectant mothers often experience false signs of labor during full moon.

Contractions known as "Braxton Hicks" -- sometimes noticeable to the mother and sometimes not -- become more pronounced and many travel to the maternity unit in the belief that "it's time". Disappointed -- or perhaps relieved -- they return home, the pains having subsided and with no dilation of the cervix.

While these expectant mothers visiting the clinic with their mistaken signs of labor are part of the reason why extra staff are needed, the major difference is found in the number of women whose amniotic sac -- the water -- breaks.

Just as some women experience false labor pains, in cases where the water breaking marks the start of childbirth, full moon is the time when it's most likely to happen.

In order to discover for myself whether this could be true, I asked several female friends how their births had started. Those who responded with "the water breaking" were then asked the date of the birth. On checking this against a moon phase chart, I discovered that almost all had given birth on, or very close to, a full moon.

The theory is that the moon's gravitational pull effects the amniotic fluid in much the same way as it effects the water in the sea, rivers and even the water that's otherwise found in our bodies.

As a woman's body prepares for natural childbirth, the amniotic sac becomes distended so the point where it will easily burst if put under pressure. Under normal circumstances, the pressure of labor contractions bursts the sac. During a full moon, the pressure caused by the moon's effect on the water inside the sac can cause the same things to happen, but without the accompanying contractions.

When this happens, natural childbirth doesn't always move forward and with no other signs of labor present, the obstetrician may decide to induce the birth. During my own study of this phenomenon I found that of 8 women whose births started with the water breaking at full moon, 5 of them had no accompanying contractions.

A coincidence? Perhaps. But surely midwives wouldn't prepare themselves for an increase in natural childbirth activity if there wasn't some truth in this?

One midwife told me that when it comes to planning childbirth, full moons should always be looked for around the time of the expected delivery. If there's one within a few days either side, the chances are your baby will be born on that day.


Daqui


Em conclusão :) , contam-se 10 luas para determinar o termo da gravidez, da mesma forma que se contam 280 dias desde o último período ou 9 meses mais uma semana ou 10 meses sem período. A influência da lua no nascimento, particularmente a lua cheia, funciona da mesma forma para o parto como para as marés.
Portantos, se a lua cheia calhar próxima da data prevista para o parto é provável que exerça a sua influência :)
publicado por Claudia Borralho às 12:25

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

mais da lua

A minha avó diz que tenho que passar nove luas ( só conta a Lua Cheia ou Lua Nova )
(...) "A lua tem influência da seguinte maneira( dizem os antigos ): A gravidez tem que fazer 9 luas (9meses), temos que ver que lua estava +/- na altura em que ficamos grávidas e contar nove luas iguais áquela."


Daqui


Quando engravidamos estava lua crescente. Assim, fazemos 9 luas crescentes a 25 de março, 9 luas cheias a 2 de abril e 9 luas novas a 17 de abril.

Eu continuo a achar que se contam 10 luas, as 10 luas crescentes calham precisamente a 23 de abril e a data previsível para o parto é 24 de abril.
publicado por Claudia Borralho às 11:37

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Março de 2007

35 semanas


35 semanas
Originally uploaded by Morgy.

publicado por Claudia Borralho às 11:17

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Março de 2007

sore hips

Hip pain is a common complaint in pregnancy although it is not widely researched. It is often grouped together with pelvic pain as a whole. It is often a problem at night in bed and makes sleeping difficult.

During pregnancy the body releases hormones which relax the ligaments that support your joints. This happens virtually from conception as Nature's way of preparing the body for labour. The extra movement this allows around the pelvis is helpful for giving birth. However, it can lead to some discomfort earlier in pregnancy which may get worse as you increase in size and weight.

There are a number of simple remedies which you can try for yourself which may be helpful. It is important to adopt a sleeping posture in which all the joints around the pelvis and hips are well supported. This would mean sleeping on your side with both legs bent and a pillow between the knees* supporting the whole length of your leg. A pillow under your bump is also needed to stop you rolling forward. Putting an extra layer of padding, such as a sleeping bag or quilt, under your bottom sheet can also improve matters. You may also find gentle heat in the form of a hot water bottle or wheat bag on your hips helpful.

Another tip is to avoid sitting with your legs crossed and, while relaxing or watching telly, to ensure you are sitting upright with a small, rolled-up cushion or towel supporting the arch at the bottom of your back. Avoid activities which appear to aggravate the pain, too.


in babycentre.uk


* há uns tempos atrás experimentei isto, mas aumentava-me a dor nas costas... bom, vou tentar outra vez.
publicado por Claudia Borralho às 11:23

link do post | comentar | favorito
|

34 semanas e 4 dias

Amanhã completamos 8 meses e entramos na recta final.
Agora já é mais difícil dormir, as dores nas ancas estão mais fortes e aparecem com mais frequência. Apesar de termos mudado de posição a dormir (com as alterações para ter lá o berço agora durmo no outro lado da cama) continua a doer-me a anca principalmente do lado direito, serão posturas minhas? do bebé?
Ontem já fizemos a mala, mas foi preciso deixar o necessaire de fora, pelos vistos temos mesmo de ir com duas malitas :)
Ontem também aproveitei o tiago chegar cedo a casa e fomos passear para a praia. Depois do trambolhão do outro dia andava com um bocado de receio de fazer coisas novas sozinha, mas agora que já experimentei com o tiago vou muito mais vezes :)
Continuo a achar que as semanas passam a correr, ainda ontem achava que ainda era terça feira. Espero bem que continuem assim, a passar depressa, porque eu já começo a estar muito farta das dores e das limitações de estar grávida.
publicado por Claudia Borralho às 10:15

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Março de 2007

grrrrrr.... detesto burocracias!

Pedir baixa quando se está grávida é um processo muito complicado. Parece que ninguém sabe informar do que é necessário fazer e dos documentos necessários. Só mesmo outras grávidas que já tenham passado por isso é que conseguem explicar este processo tão manhoso!
Geralmente entregam-se os papéis na segurança social onde nos dizem que está tudo bem e devemos receber dentro de 20 dias. Um mês mais tarde voltamos lá porque não recebemos nada e outra pessoa já diz que a informação anterior era uma barbaridade e que no minímo levará um mês e meio. Depois de um mês e meio continuamos sem receber nada e se tivermos sorte a segurança social escreve-nos para casa a dizer que faltam os documentos X e Y. Finalmente entregamos os ditos documentos em falta e um mês mais tarde, finalmente recebemos.

Documentos a pedir para uma licença de maternidade por risco clínico:
1. Requerimento de licença de maternidade por risco clínico devidamente preenchido e assinado pela entidade patronal
2. Declaração do médico para a razão da baixa
3. Declaração de um médico do Serviço Nacional de Saúde em como se trata de uma gravidez de risco e indicando a data prevista do parto
4. Certificados de Incapacidade Temporária ao Trabalho, também conhecidos por CIT para todo o período de baixa. Considerando que o primeiro CIT só pode ser passado por um período de 12 dias, preparem-se logo para voltar ao médico e pedir o segundo e subsequentes, sendo que muito provavelmente o médico só passa um CIT de cada vez.

Eu trabalho numa empresa grande, tão grande que têm departamentos para tudo e mais alguma coisa. Departamentos que só atendem o telefone entre as 9h30 e as 12h e só atendem pessoas entre as 13h e as 16h.
Eu tenho de pegar nos papelinhos todos que estão atrás e pedir que sejam assinados pela minha chefia. Depois pego nos papelinhos todos e tenho que os enviar para um departamento que vai inserir os dias em SAP. Só depois dos dias inseridos em SAP posso pedir a outro departamento que me assine o requerimento, para depois ir finalmente entregar os papelinhos todos na Segurança Social. Como o primeiro CIT só tem 12 dias o último departamento desta grande empresa só me assina o papel quando aparecerem inseridos em SAP os dias todos (até à data prevista do parto). Como tal... sem papel não se pode fazer o pedido na segurança social.
Está-me a parecer que já só consigo pedir a baixa ao mesmo tempo que for pedir a licença de maternidade depois do bebé nascer, e nos entretantos não há guito para ninguém!

E para ajudar à festa... já repararam em como 90% dos medicamentos/vitaminas receitados para a gravidez não têm comparticipação? Centrum não tem comparticipação e o IVA é 21%, Neurobion não tem comparticipação mas só pode ser comprado com receita médica e o IVA é 5%, o Magnésio novamente sem comparticipação e IVA a 21%. Com comparticipação só o ácido fólico e o ferro. Isto significa que por mês gastamos só em medicamentos a módica quantia de 65€. Começo a achar que só os ricos podem ter filhos...
publicado por Claudia Borralho às 10:19

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Segunda-feira, 12 de Março de 2007

O primeiro CTG

Ontem aqui a tontinha, não sabe bem como, mas desiquilibrou-se, tropeçou, escorregou, enfim caiu redonda no chão. Felizmente, e também sem saber como, dei a volta e em vez de cair de barriga, cai de rabo. Não houve sangue, nem perda de líquidos, nem dores e o puto parecia continuar a mexer-se, mas mesmo assim lá fomos nós a correr pró hospital para ver se estava tudo bem. Lá me inspeccionaram o colo do útero (está formado, era o que o médico dizia, considerando o desconforto eu diria que está fechadissimo). Ligaram-me de barriga para cima ao CTG e lá fiquei um bocado mais de meia hora. Tão desconfortável aquilo, estava a ver que nunca mais acabava. O que vai animando é o barulhinho dos cavalos de corrida que é o coração do Gabriel. O Gabriel também não gostou nada do CTG. Os primeiros minutos então era vê-lo a empurrar a sonda com toda a força que tinha. Fazia-me um alto enorme na barriga a empurrar a sonda, a sonda com isto ficava cheia de interferência e eu só me dava vontade de rir, o que provocava ainda mais interferência na sonda.
Enfim... com o CTG tudo bem, depois esperámos mais um bocadinho e fomos fazer uma eco. O médico para variar lá teve que se queixar que o nosso sacaninha não gostava nada dele ;) O importante é que estava tudo bem. Tudo bem com a placenta e tudo bem com o miúdo, que de acordo com o médico tem óptima vitalidade.
Hoje o tiago fica em casa a tomar conta de mim. A ver se a tonta não cai outra vez e para garantir que eu fico em repouso. Estamos em modo vigilância para ver se surge algum problema em função da queda.
publicado por Claudia Borralho às 11:54

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Março de 2007

eu, o gabriel e os gatos


DSC00488
Originally uploaded by Morgy.

publicado por Claudia Borralho às 16:13

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.subscrever feeds

.o nosso bebé

Gabriel - 25 / 4 / 2007
Nasceu a 25 de Abril de 2007 às 40 semanas e 2 dias com 3450gr e 50cm com Apgar 10 logo ao 1º minuto! :D

.coisas da mãe

. Fiz eu!

. Ilha das Maçãs

.babies around us

Rafael - 06 / 04 / 2001
João Miguel - 09 / 07 / 2003
Marta & Beatriz - 13 / 04 / 2005
Bé (Beatriz) - 22 / 05 / 2005
Vasco - 21 / 08 / 2005
Gustavo - 18 / 11 / 2005
Matilde - 16 / 01 / 2006
André - 28 / 04 / 2006
João - 20 / 02 / 2007
Maria Leonor - 12 / 09 / 2007
Bernardo - 12 / 10 / 2007
Leonor - 2 / 12 / 2007
Rita - 6 / 12 / 2007

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

.pesquisar